O caminho para recomeçar uma vida aos trinta.

Hoje foi o primeiro dia de um novo ciclo que se inicia em minha vida e não, não é o meu aniversário.


Aos trinta anos de idade, recomeçar uma nova vida...


Criando um blog!


Parece até brincadeira, quando me peguei pensando em quando iria concretizar essa ideia, eu morri de rir sozinho, me perguntava:


- É sério que você vai fazer isso mano?


Os pensamentos mais sabotadores vem nesse momento:


- Você vai escrever o que maluco?

- Ninguém vai ler o seu texto!


E se você está lendo esse texto, significa que esses pensamentos foram vencidos e eu vou te contar o porquê.


Mas antes de te contar o que me motivou a escrever esse texto, imagina comigo:


- Você com seus vinte seis para vinte e sete anos, tendo conquistado o ápice do que tinha determinado para sua profissão, e nesse momento tudo para de fazer sentido, consegue imaginar?


Não sentir mais aquele tesão ao acordar, saca?


Então, esses tipos de pensamentos que foram vencidos para esse texto estar aqui.


O MOTIVO


O que me motivou a escrita desse texto foi um reencontro, um reencontro com o amor!


A última vez que me lembro de sentar para escrever, assim como estou agora, com intenção, foi quando eu ainda namorava a minha primeira namorada.


Antes do namoro na verdade eu já escrevia, mas namorando eu comecei a escrever mais com amor e sobre amor.


Eram longos textos com palavras rebuscadas que aprendia enquanto escrevia depoimentos no falecido “Orkut”, lembra dele?


Já teve vez que pra enviar meu texto precisei de 4 depoimentos, só de lembrar a gargalhada vem bem espontânea.


Até que eu sofri uma decepção amorosa e, com isso, parei de escrever. (e a gargalhada espontânea foi embora nesse exato momento)


Na real, continuei escrevendo, mas era diferente, era um sentimento com uma energia mais densa, se você acredita em energia você entenderá bem o que estou tentando dizer.


Muito dos meus artigos e postagens eram com raiva.


Era bem fácil de perceber, quer ver um exemplo:


Quando tentava explicar meus estudos explanando a realidade que via em minhas pesquisas, informações de um sistema que aprisiona e manipula um povo incrivelmente forte, porém que não sabem a força que tem, ainda.


É o tipo de informação que todo cidadão deveria ter, mas ao mesmo tempo percebi que ajudava a disseminar esse sentimento denso toda vez que compartilhava alguma publicação.


A ideia do recomeço que disse antes, na verdade não é apenas sobre a criação de um blog.


Tem a ver com a ressignificação de várias crenças, com a liberação de vários bloqueios, uma cura da criança interior e a ativação da minha real identidade, aquela que é a imagem e semelhança do criador.


Tem a ver também com uma segunda vez: a segunda saída de casa.


Eu não sei o que aconteceu com você aos vinte e seis, mas comigo foi exatamente o que descrevi ali atrás:


Vivendo uma vida bem sucedida profissionalmente, mas sem sentido existencial.


Pode soar forte, mas foi a realidade daquele momento.


Lembro da primeira vez que sai de casa, aos 15 anos para cursar Educação física em Juiz de Fora...


Um garoto magrinho do interior de Minas, saindo para desbravar o mundo e viver suas experiências.


E hoje, saindo de casa pela segunda vez, um homem formado e, ao mesmo tempo e sempre em constante evolução.


É uma sensação incrível.


São muitas emoções.


A empolgação de uma casa nova, o ambiente fantástico, árvores e pássaros a todo tempo, ontem vi até um tucano passando por aqui, a liberdade de simplesmente andar nu pela casa, uma verdadeira paz.


Ao lado de um campo de futebol enorme, o campo Municipal.


Atualmente com essa pandemia, ele se encontra fechado, e serviu bem para um cavalo branco e bem forte que fica lá dentro, que de certa forma acaba ajudando o campo a não virar um matagal.


Hoje até que tinha um rapaz, parecia ser da prefeitura, dando um trato no gramado da área externa do campo, e eu agradeço por isso, porque assim dá uma controlada nos pernilongos que aparecem no final de tarde.


É impressionante como eles atacam, sempre em bonde.


Nunca vem um sozinho para você conseguir dar aquele tapa, que chega a explodir o sangue na mão, sabe?


Vem pelo menos dois, o que te deixa com a precisão comprometida, divide sua atenção, você não sabe se acerta aquele que está quase entrando no seu olho ou aquele que acabou de te picar nas costas.


Mas isso eu vou resolver essa semana, escutei falar que essência de citronela espanta essa galera, vou testar e depois eu conto aqui.


Durante o dia, dei uma aula de movimento para uma aluna poeta – sim, eu tenho uma aluna e amiga que é poeta, aquelas que escreve livro e tudo – e para um brother de infância, que diferente de mim, parou de fazer educação física depois que entrou para a faculdade de direito.


As práticas acontecem no terraço de casa que, diga-se de passagem, está bem aconchegante.


Digo isso, não para me gabar, mas é porque você não conseguiria imaginar o estado que ela estava se eu não te mostrar pelo menos uma foto.





Não vou me alongar falando muito sobre a reforma por aqui porque talvez eu escreva sobre as lições que aprendi com ela - foram muitas - e porque estou gravando um “daily vlog” contando os momentos, tentando ser engraçado ao mesmo tempo que mostro o resultado da reforma, o antes e depois e o que está sendo praticado no espaço depois de pronto.


Ainda ajudei um tio a cuidar de sua saúde, o mesmo tio que me ajudou na reforma, hoje pode colher os frutos do projeto que ele ajudou a desenvolver, isso se chama princípio da semeadura, anota aí.


O CAMINHO


Ainda sobre o amor, talvez eu ainda não tenha como definir para você em poucas palavras um conceito, alguns pensadores já deixaram a sua contribuição a respeito disso.


Mas sobre sentir amor...


Hoje foi um dia que, independente do conceito que tenha, eu pude sentir que ele existe em mim.


Talvez possa ser a influência da Lua, que estava linda ontem, entrando na sua fase cheia – e aqui abro um destaque para o visual que tem da Lua lá do terraço, simplesmente lindo.


Não sei onde esse novo ciclo que se inicia vai dar, mas tenho certeza que o caminho é o do amor.


Escrevendo agora, e analisando meu dia nessas palavras, é muito louco, mas parece que sinto novamente uma energia fluindo leve dentro de mim, assim como durante todo o dia, e me alegro como um passe de mágica.


Mas me veio o pensamento agora:


- E o balde de pipoca, esse aqui do meu lado que eu acabei com ele enquanto escrevia, pode estar começando a fazer efeito?


Boa noite.


Com amor, OBrau.

18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo